GEOLOGIA E RACISMO AMBIENTAL: UM ESTUDO TRANSVERSAL SOBRE AGRAVOS SOCIOAMBIENTAIS

  • Dimitri Tallemberg
  • Rui Sergio Saraiva Duarte Junior
  • Claudia Aparecida Amorim Tallemberg
Rótulo Brumadinho, Racismo, Ambiental, Geotecnia

Resumo

Refletindo sobre conceitos que são considerados técnicos e suas implicações tanto no âmbito ambiental como social, este trabalho tem como principal objetivo problematizar os diferentes planos em disputa entre o viés técnico e o ambiental. Para tanto, apresentamos o conceito de Justiça Ambiental, como ferramenta analítica perante a dicotomia entre critérios técnicos e socioambientais. Apresentamos uma articulação entre geologia e justiça ambiental, compreendendo que são temáticas transversais; como instrumento de intervenção social visando incorporar à gestão técnica, aspectos selecionados da realidade que são determinantes para atendimento a um problema ou situação específica e que necessitam de abordagem multidimensional e integrada para enfrentamento eficaz. A justiça ambiental, constitui-se como um conjunto de princípios que asseguram que um grupo de pessoas, independentemente do seu grupo étnico, racial ou classe, sofra de maneira desproporcional as consequências ambientais negativas de qualquer esfera, sejam elas econômicas, políticas e programas federais, estaduais e locais (HERCULANO, 2008). Tomaremos como estudo de caso o rompimento da barragem na cidade de Brumadinho, e suas consequências à saúde e ao meio ambiente das populações vulnerabilizadas. Assim, este estudo trata de um levantamento teórico, a partir de dados secundários, tomando como base metodológica a proposta de Herculano & Pacheco (2006), e a base teórica do relatório PoEMAS sobre a avaliação dos aspectos econômicos e institucionais sobre o rompimento da barragem de rejeitos em Brumadinho (Milanez et al. 2019). Trabalhando o olhar técnico destes empreendimentos, o principal aspecto observado é a viabilidade, intimamente ligada ao custo e a margem de lucro envolvidas, deixando de lado inúmeros aspectos sociais. Este efeito é tratado no relatório do PoEMAS (2019), mencionando como grandes corporações extrativista têm influências desproporcionais sobre diferentes agentes (Estado, trabalhadores e comunidades) e, desta forma, controlam e manipulam instituições de controle, as quais deixam de funcionar adequadamente, o que gera um aumento no risco de situações críticas de violências e impacto socioambientais. Milanez et al. (2019), abordam o crime ambiental de Brumadinho, sobre o qual, a principal população atingida se caracterizava entre 50 a 65 % de não brancos e de baixa renda, como um caso de racismo ambiental, entretanto, também, é importante revisar decisões técnicas tomadas. O método construtivo de barragens (a montante) não seria o mais adequado, mas outros métodos apresentariam um maior custo. Poderiam haver mais barramentos, diminuindo assim o volume de água e rejeitos contido em cada reservatório. Conclui-se que, dado ao supracitado, além de um crime ambiental, o evento ocorrido trata-se um gestão imprópria de recursos e as consequências deste evento poderiam ter sido evitadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-03-30
Como Citar
TALLEMBERG, D.; SERGIO SARAIVA DUARTE JUNIOR, R.; APARECIDA AMORIM TALLEMBERG, C. GEOLOGIA E RACISMO AMBIENTAL: UM ESTUDO TRANSVERSAL SOBRE AGRAVOS SOCIOAMBIENTAIS. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 11, n. 2, 30 mar. 2020.