ESTUDO DA CAPACIDADE DE ADSORÇÃO DE CORANTES A PARTIR DO HIDROCHAR DE CAROÇO DE ABACATE.

  • Raissa Bevilacqua
  • Matias Schadeck Netto
  • Isadora Argenta Preigschadt
  • Nathália Favarin da Silva
  • Evandro Stoffels Mallmann
  • Guilherme Luiz Dotto
Rótulo Efuentes, industriais, 1, Carbonização, hidrotérmica, 2, Adsorção, 3, Estudo, cinético, isotérmico, 4, Resíduos, agroindustriais, 5

Resumo

Os corantes são compostos muito presentes em efluentes industriais que necessitam ser removidos. A adsorção se mostra como uma técnica eficaz na remoção de corantes em meio líquidos, onde a busca por novos adsorventes é de extrema relevância. A carbonização hidrotérmica pode ser utilizada em substituição a síntese de carvão ativado, uma vez que utiliza temperaturas de síntese menores. Neste contexto o objetivo do trabalho foi sintetizar um hidrochar a partir de um resíduo agroindustrial (caroço de abacate) e avaliar a eficiência do mesmo como adsorvente de corante em solução aquosa utilizando um planejamento experimental com duas variáveis, pH do meio e dosagem de adsorvente, e duas respostas, remoção de corante e capacidade de adsorção do hidrochar. Com o planejamento experimental, é possível determinar as melhores condições de pH e dosagem de adsorvente para a máxima remoção de corante e máxima capacidade de adsorção do adsorvente, uma vez que gera modelos que representam o comportamento das respostas em relação as variáveis independentes. Para a realização do planejamento experimental, inicialmente abacates do tipo Fortuna (Persea Americana Mill) foram secados a 60 °C por 48 horas, triturados numa granulometria de 0,5 mm, e novamente secados a 60 °C por 48 horas. Para a síntese do hidrochar, foi adicionado 10 g de caroço de abacate em 100 mL de uma solução 30% wt. de ácido fosfórico a qual foi deixada sob agitação por uma hora. Esse sistema foi acondicionado em uma autoclave, a qual foi colocada em uma estufa a 200 °C por 2 horas. O hidrochar foi então lavado com água destilada até que o pH da água de lavagem ficasse em torno de 7, e por fim secado a 60 °C por um dia. O planejamento experimental foi realizado utilizando uma concentração inicial do corante Violeta cristal de 100 mg/L, um tempo de adsorção de 2 horas, velocidade de agitação de 150 rpm e temperatura de 25 °C. Os valores da variável pH foram variados de 4,18 até 9,82 tendo como ponto central o valor de 7. Essa faixa de trabalho em um pH básico é característica da adsorção de corantes aniônicos. Os valores de dosagem de adsorvente variaram de 0,29 a 1,71 g/L, tendo como ponto central a dosagem de adsorvente de 1 g/L. Os resultados do planejamento experimental mostraram que para a resposta remoção, o valor do coeficiente de determinação (R²) encontrado foi de 0,977, indicando um bom ajuste dos dados experimentais ao modelo. Para a resposta capacidade de adsorção, o valor de R² encontrado foi de 0,979. Pela análise das superfícies de resposta tanto para a resposta Remoção como capacidade de adsorção, é possível concluir que o ponto ótimo para a realização dos experimentos de adsorção é em um pH básico de 9, e em uma dosagem de adsorvente de 0,5 g/L, onde obtém-se uma remoção de mais de 95 % de corante e uma alta capacidade de adsorção, de 174 mg/g, podendo o hidrochar do caroço de abacate ser considerado um adsorvente em potencial para a remoção de corantes em meio líquido.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-03-30
Como Citar
BEVILACQUA, R.; SCHADECK NETTO, M.; ARGENTA PREIGSCHADT, I.; FAVARIN DA SILVA, N.; STOFFELS MALLMANN, E.; LUIZ DOTTO, G. ESTUDO DA CAPACIDADE DE ADSORÇÃO DE CORANTES A PARTIR DO HIDROCHAR DE CAROÇO DE ABACATE. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 11, n. 2, 30 mar. 2020.