AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO RIO SANTA MARIA NO MUNICÍPIO DE DOM PEDRITO-RS

  • Carlos Sabedra
  • Luciana Machado Rodrigues
  • Tânia Regina de Souza
Rótulo Água, Rio, Santa, Maria, Soja, Agrotóxico, Glifosato

Resumo

A bacia hidrográfica do Rio Santa Maria (BHRSM) localiza-se na fronteira oeste do Rio Grande do Sul. Engloba os municípios de Rosário do Sul, Dom Pedrito, SantAna do Livramento, Cacequi, São Gabriel e Lavras do Sul. As águas da BHRSM são utilizadas no abastecimento doméstico, para irrigação de lavouras, e uso industrial. O Rio Santa Maria nasce à nordeste do município de Dom Pedrito, e desemboca no rio Ibicuí. Nesta região abrangida pela BHRSM ocorrem problemas decorrentes da disponibilidade insuficiente de água, para o abastecimento público e para agricultura, principalmente na estação verão. Sendo uma região com atividade predominantemente agropecuária, a presença de lavouras de soja, é muito comum nas margens do Rio Santa Maria. Estas lavouras comumente empregam fertilizantes e agrotóxicos, para o aumento da produtividade e, com isso, podem promover a contaminação dos corpos d´água vizinhos. Este trabalho objetiva realizar uma avaliação da qualidade das águas do Rio Santa Maria em um trecho previamente definido, no município de Dom Pedrito. A metodologia empregada consistiu na realização de análises físico-químicas (pH, oxigênio dissolvido, sólidos totais dissolvidos, turbidez, condutividade elétrica e DBO) de amostras de águas coletadas em 12 pontos no Rio Santa Maria. Foi também realizada a coleta de plantas aquáticas desenvolvidas nestas águas, para sua caracterização morfológica por microscopia óptica. Estas plantas aquáticas são um tipo de bioindicadores da qualidade das águas naturais. Sabe-se que os fertilizantes causam eutrofização das águas, e os agrotóxicos, a intoxicação das plantas. As coletas de amostras de águas e plantas aquáticas foram realizadas durante o outono do ano de 2019, temporada de cheias no Rio Santa Maria, facilitando a realização do trabalho. Os resultados das análises físico-químicas foram comparados com a legislação ambiental. Para as amostras de águas os valores obtidos variaram entre: 6,6 a 8,0 pH; 520 a >120.000 μS/cm condutividade elétrica; 12 a 24300 ppm sólidos totais dissolvidos; 0,6 a 24,5 NTU turbidez; 15 a 38 ppm oxigênio dissolvido; 4 a 520 mg/L DBO. Segundo a Portaria 357/05 do CONAMA os níveis para DBO para águas naturais de classe I, deveriam atingir um valor máximo de 3 mg/L O2; o teor mínimo de oxigênio dissolvido, 5 mg/L; a condutividade elétrica máxima de 100 μS/cm; o pH entre 6,0 e 9,0; o valor máximo de 500 mg/L para sólidos totais dissolvidos; e o valor máximo de 5 NTU para turbidez. Apenas 4 dos 12 pontos de coleta de água apresentaram plantas macrófitas aquáticas. A maioria das plantas apresentaram-se visualmente saudáveis, com pequenos pontos danificados, como manchas. Ressalta-se que os pontos ao longo do Rio Santa Maria, mais próximos a lavouras de soja, não apresentaram plantas aquáticas em suas águas, o que pode ser um indício da presença de agrotóxicos. Salienta-se a necessidade do cuidado com a qualidade das águas do Rio Santa Maria para o benefício da população da região.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-03-30
Como Citar
SABEDRA, C.; MACHADO RODRIGUES, L.; REGINA DE SOUZA, T. AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO RIO SANTA MARIA NO MUNICÍPIO DE DOM PEDRITO-RS. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 11, n. 2, 30 mar. 2020.