CONSOLIDAÇÃO DO ENOTURISMO NOS MUNICÍPIOS DE CANDIOTA, BAGÉ E DOM PEDRITO

  • Andréia Lauenstein
  • José Douglas Invenção Andrade
  • Narieli Martins Nunes
  • Angela Rossi Marcon
Rótulo Região, Campanha, Vitivinicultura, Enoturismo

Resumo

O vinho é considerado patrimônio cultural, unindo gerações em sinal de alegria e comemoração. No Brasil, seu processo histórico veio através da imigração Italiana como forma de subsistência e foi ganhando cada vez mais espaço, principalmente no estado do Rio Grande do Sul, onde se concentra a maior parte do setor da indústria vitivinícola. O desenvolvimento de uma rota turística tem o intuito de alavancar e desenvolver a região produtora. Essas rotas acabam auxiliando da mesma forma no desenvolvimento das cidades, possibilitando a oportunidade de novos empregos para a população e incentivando o comércio local (hotéis, restaurantes, lojas, bares e etc). Diante disso, este trabalho visa a consolidação de uma possível rota Enoturística alternativa nos municípios de Candiota, Bagé e Dom Pedrito, a fim de promover o desenvolvimento vitivinícola e econômico da região. Para fins metodológicos, utilizaram-se pesquisas bibliográficas e documentais com caráter descritivo através de livros e revistas técnicas que abordam o tema. Evidenciou-se que existe um grande potencial de desenvolvimento desses três municípios. Nem todas propriedades possuem vinícolas próprias, entretanto existe a possibilidade de resgatar a cultura gaúcha territorial, já que nessa região travaram-se inúmeras batalhas agregando historicamente o turismo desse lugar que, aliados aos vinhedos, formam uma paisagem única para o bioma pampa. A vitivinicultura da região é uma atividade de produção familiar, que mantêm elementos do patrimônio cultural, integrando os três elos da cadeia de produção (matéria prima, produtos e serviços), possibilitando a sustentabilidade econômica por gerações. Outro nicho de negócio que o produtor pode desenvolver são as atividades alternativas de prestação de serviços como pousadas, restaurantes, cafés, passeios a cavalo e produção artesanal de produtos locais. O vinho na taça simboliza 30% do volume total e o espírito que existe além dele são os outros 70% (PIZZOL e SOUZA, 2014). Dessa forma, pode-se verificar que o turista ou visitante de regiões vitivinícolas percorre longas distâncias em busca de novas sensações vinculadas ao conjunto cultural e paisagístico do local. A região da Campanha também está em busca da Indicação Geográfica, cujo objetivo é valorizar a produção local, com características próprias relacionadas à sua origem que garantem a qualidade e autenticidade dos produtos nela elaborados. Conclui-se que pelo fato de ser uma região produtora, considerada ainda nova no meio da vitivinicultura, necessita-se de fomento e parcerias com empresas do setor privado e governamental para viabilizar a rota.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-03-30
Como Citar
LAUENSTEIN, A.; DOUGLAS INVENÇÃO ANDRADE, J.; MARTINS NUNES, N.; ROSSI MARCON, A. CONSOLIDAÇÃO DO ENOTURISMO NOS MUNICÍPIOS DE CANDIOTA, BAGÉ E DOM PEDRITO. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 11, n. 2, 30 mar. 2020.