Relações Públicas 360º: reflexões sobre o ensino e o mundo do trabalho

  • Nathalia Barros
  • Felipe Ziembowicz Schreiner
  • Ana Luiza Andrade de Souza Maranhão
  • Vitória Ayala Santana
  • Fernanda Sagrilo Andres
Rótulo Relações, Públicas, Unipampa, Ensino

Resumo

Este estudo apresenta dados gerados no projeto de pesquisa Relações Públicas 360º, que tem como propósito mapear e investigar a relação do Curso de Relações Públicas da Universidade Federal do Pampa, com os diversos públicos, ou seja, docentes, discentes, egressos, comunidade e evadidos. Assim, neste artigo será abordado o relacionamento com o público discente. O objetivo do estudo é dar voz para os acadêmicos do curso de Relações Públicas, para entender suas perspectivas em relação à profissão e perante ao curso. Para tanto, busca-se entender, se o curso de relações públicas cumpre a proposta de formar cidadãos capacitados às exigências do mundo de trabalho, investigando a satisfação para com o curso e a universidade, a inserção no mercado profissional e a trajetória no campo acadêmico. A partir disso, espera-se ter um panorama geral, através da visão dos alunos. Os cursos de Relações Públicas passaram por reformas das diretrizes curriculares, exigidas pelo MEC, em 2013. Esses, portanto, tiveram que se adequar às necessidades do mercado, visando uma plena formação do aluno, fazendo com que desenvolva habilidades fundamentais para o mundo de trabalho e seus nichos. A partir desse pressuposto, dividimos nossa pesquisa em dois anos (2018-2019), a partir de 4 eixos: alunos ingressantes do ano de 2018, acadêmicos do 3º e 5º semestre do ano de 2018, formandos 2018 e alunos do 4º e 6º semestre de 2019. Para os três primeiros eixos foi realizado um questionário, com perguntas diferentes, visto a multiplicidade de opiniões. Porém para a segunda etapa, realizada no ano de 2019, fora aplicado um grupo focal com o 4º e o 6º semestre do curso. As diferentes abordagens metodológicas mostram que os discentes apesar de escolherem cursar Relações Públicas, relataram que se sentem desmotivados com o fato de sempre terem que explicar qual o propósito de sua profissão, contribuindo para que muitos alunos evadem. Isso se deve a uma crise de identidade da própria área. Por outro lado, pelo fato do curso ser noturno, atrai muitas pessoas que trabalham durante o dia, sendo por muitas vezes a sua segunda opção. Ademais, sugerem alterações na matriz curricular para tornar o curso mais mercadológico e com foco no digital, visando integrar o âmbito acadêmico ao do mercado. Conforme os dados obtidos na pesquisa, compreende-se o quão é essencial que os acadêmicos de Relações Públicas saiam preparados para o mundo de trabalho atual, fazendo com que os cursos de comunicação, não somente de relações públicas, percebam a necessidade de atualização em seus PPCs e em suas metodologias em sala de aula. Salienta-se que os resultados obtidos já estão sendo usados pelo NDE do curso para a produção de um novo PPC.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-03-30
Como Citar
BARROS, N.; ZIEMBOWICZ SCHREINER, F.; LUIZA ANDRADE DE SOUZA MARANHÃO, A.; AYALA SANTANA, V.; SAGRILO ANDRES, F. Relações Públicas 360º: reflexões sobre o ensino e o mundo do trabalho. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 11, n. 2, 30 mar. 2020.