O conteúdo jornalístico deve ser pensado a partir da identidade de seu consumidor

  • Danielle Maciel
  • Marco Antonio Bonito
Rótulo Comunicação, moda, identidade, negritude, Vogue

Resumo

O objetivo deste trabalho é trazer a reflexão a partir da teoria e pesquisa exploratória, trazendo o jornalismo de moda em um recorte étnico racial. Compreendendo que uma parte do que é consumido constitui a identidade de cada um. Para entender o conceito de identidade trago o livro Identidade e Diferença: A perspectiva dos Estudos Culturais (2003) de Stuart Hall e Kathryn Woodward. Uma breve exposição de um acontecimento recente na moda fará com que o conteúdo deste artigo seja compreendido. A questão problema é Como o jornalismo de moda retrata a identidade negra considerando o negro um consumidor deste meio?, a hipótese é que o produtor de conteúdo ainda não considera o negro parte do seu público consumidor. Para elaboração deste trabalho foi utilizado a pesquisa exploratória, pesquisa bibliográfica e teórica. O conceito de identidade é feito de um conjunto de fundamentações sociais como a língua, cultura e vivência. Estabelecendo um sujeito que demonstra isso a partir da comunicação. Comunicação entendida aqui como um discurso que perpassa o verbal, contém muito do que está sendo e consumindo quando se relaciona com o outro. A identidade não envolve a raça, nem apenas o lugar em que está inserido, ela é definida a partir da definição do outro, não se esgota em si mesma, porque enquanto o sujeito vive ele não é, ele está sendo. (HALL E WOODWARD, 2000, p. 75). Em fevereiro de 2019, a ex-diretora de estilo da edição brasileira da Vogue, Donata Meirelles comemorou seu aniversário de 50 anos com uma festa, onde no local foi montado um cenário, que tinha uma grande cadeira, posicionadas em volta de mulheres negras vestidas de roupas e turbantes brancos, convidados sentado na cadeira como se fosse de coronéis de engenho. Este acontecimento foi polêmico e levou o afastamento de Donata da empresa. O que esta festa expressou é o quanto a comunicação por vezes não considera o outro, ignorando questões históricas, percebendo que com uma abolição da escravatura sendo tão recente, de 128 anos, a sociedade ainda têm traços racistas instaurados nas forma de agir. A comunicação é um mecanismo de expressão, também considera o outro como protagonista no desenvolvimento e recepção do que é passado no verbal e não verbal. Portanto, o conteúdo deve ser produzido para todos os públicos, utilizando de ferramentas que demonstrem o quanto a informação pode ser democrática. Os conteúdos são reflexos dos produtores ainda que há uma tentativa de manter o produto isento dos pensamentos do jornalista, tudo que é repassado carrega a identidade do sujeito. Mesmo que o que tenha acontecido na festa não defina a edição brasileira da Vogue, traz questões polêmicas a tona, afetando a forma como consumidor receberá a informação desenvolvida por este meio, ainda que de forma incompreendida.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-03-30
Como Citar
MACIEL, D.; ANTONIO BONITO, M. O conteúdo jornalístico deve ser pensado a partir da identidade de seu consumidor. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 11, n. 2, 30 mar. 2020.