APLICAÇÃO DAS DISTRIBUIÇÕES GUMBEL E GVE PARA VAZÃO MÁXIMA MENSAL DO RIO IBICUÍ, ITAQUI-RS

  • Lucas Ribeiro
  • Gilberto Rodrigues Liska
Rótulo Enchentes, Probabilidade, Hidrologia, Nível, retorno

Resumo

i) introdução: Vazão seria o volume de um determinado fluido que passa em uma determinada quantidade de tempo por uma secção, basicamente falando, a velocidade que um volume ou massa escoa. Os dados da vazão de um rio podem ser muito importantes para determinar o seu comportamento, podendo ser usados para análise de enchentes ou para saber quanto uma barragem ou hidrelétrica precisa aguentar de escoamento; ii) hipótese(s): Verificar se as distribuições Gumbel e GVE podem ser utilizadas nas vazões da estação de Passo Mariano Pinto para previsões de possíveis enchentes ; iii) objetivo(s): O trabalho tem como objetivo prever o comportamento do rio Ibicuí em relação a vazão máxima anual para se ter ideia de até onde pode chegar uma possível enchente nessa região; iv) material e métodos: Os dados de vazão foram retirados do site Hidroweb e são referentes ao rio Ibicuí da estação de Passo Mariana Pinto do rio Ibicuí no município de Itaqui. Os dados utilizados foram de vazão máxima e foram organizados de maneira mensal com o intervalo de tempo do ano de 1953 a 2007. Então, testes foram realizados, o de Mann-Kendal foi utilizado para ver se os valores da amostra tinham a tendência de ser identicamente distribuídas, o de Ljung-Box para ver se os valores não tenham dependência temporal. Foram utilizadas as distribuições Gumbel e GVE e seus parâmetros foram estimados pelo método da máxima verossimilhança. O ajuste das distribuições foi avaliado pelo teste de Kolmogorov Smirnov. Foi calculado a probabilidade e o nível de retorno para cem anos usando ambas distribuições. Todas as análises foram realizadas no programa estatístico R; v) resultados e discussão: Todos os testes foram feitos com 5% de nível de significância. No teste de Mann-Kendal a série não tem tendência. Pelo teste de Ljung-Box, a série é independente. Pelo teste razão de verossimilhança, o parâmetro ξ é estatisticamente nulo. Pelo teste de Kolmogorov ambas distribuições se ajustaram aos dados. Pela distribuição Gumbel, a probabilidade de que os níveis de vazão de 7000 m³/s a 10000 m³/s com amplitude de 500 m³/s são, respectivamente, 11,26%, 8,51%, 6,40%, 4,81%, 3,60%, 2,69% e 2,01%. O nível de retorno, é usado para ver o valor máximo que pode ter de vazão nos próximos anos. Para tal, foram considerados os seguintes tempos de retorno, 2, 5, 10, 15, 30, 50 e 100 anos. Os valores obtidos das vazões máximas para esses anos respectivamente foram de, 4022,743 m³/s, 5941,410 m³/s, 7212,565 m³/s, 7929,458 m³/s, 9132,578 m³/s, 10009,075 m³/s e 11191,315 m³/s; vi) conclusão: As distribuições Gumbel e GVE se ajustaram aos dados de vazão máxima da estação Passo Mariana Pinto, sendo a distribuição Gumbel melhor indicada pelo teste de razão de verossimilhança. A estimativa de nível de retorno para cem anos supera o máximo observado na série, cujo registro foi de 8981,445 m³/s.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-03-30
Como Citar
RIBEIRO, L.; RODRIGUES LISKA, G. APLICAÇÃO DAS DISTRIBUIÇÕES GUMBEL E GVE PARA VAZÃO MÁXIMA MENSAL DO RIO IBICUÍ, ITAQUI-RS. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 11, n. 2, 30 mar. 2020.