CONHECENDO A ASMA EM ADOLESCENTES DE URUGUAIANA: GLOBAL ASTHMA NETWORK (GAN)

  • Leticia Rockenbach
  • Pietro Nunes Rinelli
  • Laura Simon
  • Filipe Blum de Vasconcelos
  • Tanise Fagundes Aurélio
  • Marilyn Urrutia Pereira
Rótulo ADOLESCENTES, ASMA, GAN

Resumo

A Global Asthma Network (GAN) foi criada em 2012 para diagnosticar, propor e abordar o estado atual da asma, uma das mais importantes doença globais não transmissíveis (NCDs), e para melhorar o cuidado dos pacientes asmáticos globalmente, focando nos países de baixa e média renda. É um estudo comparativo de corte transversal, realizado na Fase 1 do estudo GAN em Uruguaiana, BR. Mil e cinquenta e seis adolescentes (13-14 anos) incluídos no estudo responderam ao questionário padrão, explorando dados demográficos (incluindo altura e peso), sintomas, diagnóstico, manutenção e fatores de risco de asma. Observou-se alta prevalência de sibilância (32,9%) e sibilos nos últimos 12 meses (15,8%). Entre aqueles com sibilância no último ano, 44,3% tiveram diagnóstico médico de asma. 75,5% tiveram 4-12 episódios de sibilância, 18% acordaram à noite por causa da sibilância, apenas 3% tiveram um plano de ação, quase metade, 45,5% usaram beta 2 agonistas de curta duração nos últimos 12 meses, mas apenas 5,4% usaram corticosteroides inalados. Ainda, 29,3% relataram ter consultado 4 a 12 vezes com médico, 15% ido à sala de emergência, 4,1% internados nos últimos 12 meses e 30,5% tiveram dias perdidos de aula. Portanto, adolescentes de Uruguaiana apresentam alta prevalência de sintomas de asma e, embora a asma tenha sido diagnosticada em quase metade desses adolescentes, poucos têm um plano de ação, muitos usam broncodilatadores inalatórios e poucos usam a medicação preventiva.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-03-30
Como Citar
ROCKENBACH, L.; NUNES RINELLI, P.; SIMON, L.; BLUM DE VASCONCELOS, F.; FAGUNDES AURÉLIO, T.; URRUTIA PEREIRA, M. CONHECENDO A ASMA EM ADOLESCENTES DE URUGUAIANA: GLOBAL ASTHMA NETWORK (GAN). Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 11, n. 2, 30 mar. 2020.