ABORTO: CONHECIMENTO E OPINIÃO DOS ALUNOS DE MEDICINA DA UNIPAMPA

  • Laissa Jesus
  • Laissa Santana de Jesus
  • Guilherme Henrique Rodrigues Pinto
  • Sarah Luiz Brum
  • Ingrid dos Santos Ferreira
  • Juliana Lopes De Macedo
Rótulo Aborto, direitos, reprodutivos, bioética

Resumo

Introdução: As questões bioéticas são essenciais na formação dos(as) profissionais de saúde. Todavia, há resistência em discutir determinados temas permeados por ideologias religiosas hegemônicas, como o aborto. Durante a formação desses profissionais, são poucos os espaços de discussão sobre aborto na perspectiva de Direitos Humanos, Sexuais e Reprodutivos. Ademais, o desconhecimento dos profissionais sobre as leis que envolvem aborto advém de tal resistência à discussão. Assim, a garantia do direito à saúde é prejudicada e a adequada atuação profissional, comprometida. Partindo dessas observações, realizou-se uma pesquisa com o intuito de identificar a opinião e o conhecimento dos estudantes de Medicina da UNIPAMPA acerca das questões bioéticas e legislativas do aborto no Brasil. Materiais e métodos: Tratou-se de uma pesquisa de orientação quantitativa, descritiva, realizada com acadêmicos de medicina da UNIPAMPA. O critério inclusivo de participação da pesquisa foi: estudantes de medicina de todos os semestres, porém foi feito um sorteio randomizado e foram selecionados 128 alunos de um total de 191, sendo que essa amostra representa uma margem de erro de 5% e intervalo de confiança de 95%. A coleta de dados se deu através de questionário online contendo apenas perguntas fechadas, preenchido pelos estudantes, individualmente, sem identificação. A análise dos dados ocorreu através de estatística descritiva. Resultados e discussão: Até o período, obteve-se dados preliminares de 25 estudantes. Conhecimento: Segundo a legislação brasileira, o aborto é legal em casos de estupro, risco de morte materna e anencefalia. 24% dos alunos não sabiam que o aborto é legal em casos de risco de morte para a mãe. 36% acham que o aborto é legal em qualquer situação de malformação fetal. Ademais, 60% não sabiam que, em casos de estupro, o aborto pode ser realizado em qualquer serviço de saúde, sem a necessidade de boletim de ocorrência ou autorização judicial, desde que se forme uma junta médica para analisar o caso. A maior parte não sabe que meninas menores de idade precisam de autorização dos pais ou responsáveis para fazerem o aborto. Em oposição, 88% estão cientes de que, em casos de emergências pós-abortamento ilegal, deve-se manter sigilo. Nenhum deles teve um aborto, mas 40% conheciam alguém que o teve ilegalmente. Opinião: Por volta de 70% dos discentes se mostraram favoráveis ao aborto legal até a 12° semana de gestação em caso de desejo da mulher. Entretanto, aproximadamente 30% acreditam que o aborto deve ser ilegal em qualquer circunstância. Em caso de solicitação de aborto fora do permitido em lei, 44% dos estudantes não fariam o aborto, quase 30% fariam ou ensinariam a paciente a usar pílulas abortivas e 24% a encaminhariam a um médico de sua confiança. Conclusão: Há necessidade de se discustir as questões bioéticas e legislativas do aborto no Brasil com esses estudantes a fim de se obter uma formação completa e esclarecedora.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-03-30
Como Citar
JESUS, L.; SANTANA DE JESUS, L.; HENRIQUE RODRIGUES PINTO, G.; LUIZ BRUM, S.; DOS SANTOS FERREIRA, I.; LOPES DE MACEDO, J. ABORTO: CONHECIMENTO E OPINIÃO DOS ALUNOS DE MEDICINA DA UNIPAMPA. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 11, n. 2, 30 mar. 2020.