ANÁLISE DA SENSIBILIDADE AOS ANTIBIÓTICOS DE BACTÉRIAS ISOLADAS DA ÁGUA DO RIO URUGUAI

  • Darliane Andreis
  • Gustavo Echeverria Ruschel
  • Neimah Maruf Ahmad Maruf Mahmud
  • Fernanda Riffel
  • Cheila Denise Ottonelli Stopiglia
  • Cristhian Gindri da Silva
Rótulo amostras, água, resistência, bacteriana, antibióticos

Resumo

O Rio Uruguai, localizado entre os estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina, é formado pelo cruzamento das águas de dois outros rios, o Rio Canoas e o Rio Pelotas. A água deste rio possui várias utilizações, sendo as principais, o uso da água para irrigação de lavouras de arroz e o abastecimento de água às cidades próximas a ele. Um dos principais problemas que se encontra nas cidades do estado do Rio Grande do Sul, é a baixa taxa de tratamento de esgotos, principalmente nas cidades que localizam-se próximas ao Rio Uruguai. Devido a falta de tratamento sanitário, muitas vezes, o esgoto acaba poluindo o solo próximo ao rio e até mesmo suas águas. Estudos relatam que o consumo de antimicrobianos no Brasil aumentou muito nos últimos tempos, e o descarte inapropriado dos mesmos favorece a contaminação ambiental. A presença destes compostos no ambiente, bem como, de genes de resistência à antibióticos, favorece o desenvolvimento de resistência aos antimicrobianos pelas bactérias e vários estudos relatam essa ocorrência. O objetivo deste estudo foi avaliar a sensibilidade aos antibióticos de bactérias isoladas da água do Rio Uruguai. Em três pontos no percurso do Rio Uruguai, na cidade de Uruguaiana, foram coletadas amostras para o estudo, no mês de abril de 2019, sendo elas com resíduos da agricultura (AG), indústria (IN) e de esgoto (ES). As amostras foram centrifugadas em rotação 5.000 rpm por 20 minutos e, em seguida, semeadas em placas de Petri contendo os meios de cultura ágar MacConkey e ágar Manitol. Decorridas 24 horas em estufa à 35°C, observou-se crescimento microbiano nas placas, seguido da avaliação macroscópica e microscópica das colônias isoladas. Em seguida, através do teste bioquímico de identificação, diferenciou-se as bactérias Gram negativas fermentadoras e não-fermentadoras, pelo meio de cultura Triple Sugar Iron Agar (TSI). A avaliação de susceptibilidade aos antimicrobianos foi realizada por disco-difusão, para as bactérias fermentadoras. Dos isolados, obteve-se seis bacilos Gram negativos no ponto ES, cinco bacilos Gram negativos e um coco Gram positivo no ponto IN, 11 bacilos Gram negativos e uma colônia de cocos Gram positivos no ponto AG. Sendo eles, quatro bactérias fermentadoras para AG, cinco para ES e uma para IN. Todos os micro-organismos isolados foram sensíveis para os antibióticos ceftriaxona, tetraciclina, gentamicina, meropenem, ciprofloxacino, ceftazidima e cefepima. Houve um predomínio de resistência a cefazolina, com exceção de um isolado do AG e dois do ES, bem como, de resistência a ampicilina, com exceção de um isolado do ponto ES. Portanto, pode-se concluir que há um predomínio de bacilos Gram negativos nos diferentes pontos coletados e, nesse ensaio preliminar, o ponto AG mostrou maior variabilidade microbiana e os micro-organismos isolados do ponto ES foram mais sensíveis aos antibióticos avaliados. Contudo, é necessária a obtenção de maior número de isolados para confirmar esses achados.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-03-30
Como Citar
ANDREIS, D.; ECHEVERRIA RUSCHEL, G.; MARUF AHMAD MARUF MAHMUD, N.; RIFFEL, F.; DENISE OTTONELLI STOPIGLIA, C.; GINDRI DA SILVA, C. ANÁLISE DA SENSIBILIDADE AOS ANTIBIÓTICOS DE BACTÉRIAS ISOLADAS DA ÁGUA DO RIO URUGUAI. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 11, n. 2, 30 mar. 2020.