POLIFARMÁCIA: AVALIAÇÃO EM GRUPO DE HIPERTENSOS E DIABÉTICOS

  • Lilian Maia
  • Raquel Rodrigues Lopes
  • Daiane Tomazetti
  • Manoel Munhoz Alves
  • Patrícia Albano Patrícia Mariño
  • Ana Paula Simões Menezes
Rótulo Estratégia, Saúde, Família, Uso, Racional, Medicamentos, Polifarmácia

Resumo

A polifarmácia pode ser entendida como a exposição a múltiplos fármacos, o uso de mais medicamentos do que está clinicamente indicado ou o consumo de cinco ou mais medicamentos. Na saúde pública, é grande o impacto da polifarmácia, devido ao aumento do custo com serviços de saúde e fármacos, sem que isso se traduza em uma melhor qualidade de vida da população. O objetivo desta pesquisa descritiva transversal foi avaliar o uso da polifarmácia em idosos participantes de grupo de convivência em uma Estratégia Saúde da Família (ESF) no município de Bagé, RS. Os dados foram coletados através de um questionário para o levantamento de informações referentes à prescrição médica (medicamento, dose e posologia), doenças, indicação terapêutica e modo de uso de cada medicamento. A população entrevistada faz parte do Grupo Girassol, pertencente à ESF do bairro Malafaia, composto por 20 mulheres. Os encontros ocorrem semanalmente há mais de cinco anos, com foco em informações sobre saúde elaboradas pelos profissionais da ESF, do Núcleo de Apoio à Saúde da Família (NASF) e pelos estagiários dos cursos da Saúde da Urcamp. Esse estudo integra o projeto de pesquisa "A farmácia e o Uso Racional de Medicamentos, aprovado pelo CEP sob n° 102092/2018, e tem apoio do Fapergs. Foram entrevistadas 13 voluntárias, com maioria na faixa etária superior a 61 anos (61%). A hipertensão arterial sistêmica (HAS) foi a patologia que apresentou a maior prevalência (76%), porém hipercolesterolemia, diabetes e depressão também foram relatadas. Em relação aos medicamentos utilizados, a losartana potássica (46%), hidroclorotiazida (23%) e captopril (15%) foram os mais utilizados, em concordância com a patologia mais citada. A pesquisa também revelou que 84,6% usam corretamente a medicação, ou seja, ingerem o(s) medicamento(s) com água e nos horários indicados na prescrição médica, e o mesmo percentual aplica-se no que se refere ao conhecimento da indicação de cada medicamento prescrito. Entretanto, 15,4% relataram não saber a indicação do medicamento ou fazem uso incorreto. A prática da polifarmácia foi encontrada em todas as entrevistadas (100%), com média de 7 medicamentos por prescrição. Nesta pesquisa, a prática da polifarmácia foi encontrada em todos os participantes. Porém, foi verificado que a maioria apresenta conhecimento acerca de seus medicamentos utilizados e os usam de forma correta, de acordo com a prescrição médica. Salienta-se que no processo de uso racional de medicamentos o farmacêutico como profissional da saúde, contribui para a promoção da saúde e sua participação em equipes multidisciplinares acrescenta valor aos serviços, como na prevenção da saúde e vigilância das doenças. O convívio em grupos entre idosos fortalece o papel social, melhorando a autonomia e autoestima dos participantes e é um importante ponto na sociedade, pois faz uma ligação entre comunidade-profissionais, de tal modo que eles possam encontrar na equipe de saúde apoio e confiança.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-03-30
Como Citar
MAIA, L.; RODRIGUES LOPES, R.; TOMAZETTI, D.; MUNHOZ ALVES, M.; ALBANO PATRÍCIA MARIÑO, P.; PAULA SIMÕES MENEZES, A. POLIFARMÁCIA: AVALIAÇÃO EM GRUPO DE HIPERTENSOS E DIABÉTICOS. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 11, n. 2, 30 mar. 2020.