PERFIL CLÍNICO E TEMPO DE INTERNAÇÃO DE PACIENTES SOB CUIDADOS INTENSIVOS

  • Julia Hummel
  • Thaynan Silveira Cabral
  • Josefine Busanello
Rótulo Unidade, Terapia, Intensiva, Perfil, clínico, Especialidades, Tempo, internação, Enfermagem

Resumo

Introdução: Unidade de Terapia Intensiva (UTI) atende pacientes em situações que necessitam de um cuidado com maior complexidade no ambiente hospitalar, ou seja, recebe pacientes em situações críticas de vida, que requerem atenção multiprofissional, monitorização contínua, suporte e equipamentos que possam fornecer o tratamento necessário. Doenças cardiovasculares (29,77%) e a infecção/sepse (24,76%) foram os principais motivos de internação nas UTIs dos hospitais particulares e hospitais públicos do Brasil. As condições fisiopatológicas mais incidentes precisam ser analisadas, bem como, o tempo de internação nessas situações, com o intuito de planejar e qualificar o processo de assistência à saúde na rede de atenção. Objetivo: Analisar a relação entre o perfil clínico e o tempo de internação de pacientes em uma Unidade de Terapia Intensiva da Fronteira Oeste. Material e métodos: Este estudo faz parte do macro projeto de pesquisa intitulado: Perfil clínico e social dos pacientes internados na Unidade de Terapia Intensiva Adulto de um Hospital da Fronteira Oeste do Rio Grande do Sul, aprovado no Comitê de Ética em Pesquisa da UNIPAMPA, sob o número sob parecer número 3.404.096, em 20 de junho de 2019. A coleta de dados ocorreu mediante análise documental, retrospectiva dos prontuários de pacientes internados no período de 2016 a 2018, com amostragem aleatória de 259 pacientes, maiores de 18 anos, representando 61,8% da população. Foram excluídos pacientes que foram a óbito ou tiveram alta antes de completar 24 horas de internação. Para análise bivariada e averiguação nas associações entre as variáveis foi utilizado o teste de de Qui quadrado com valor de p<0,05, a partir do software Statistical Package for Social Sciences® (SPSS ), versão 20.0. Resultados e discussão: Os pacientes pertenciam a diversas especialidades, sendo com maiores frequências: neurologia (n=84; 32,4%); respiratório (n=71; 27,4% ); e cardiologia (n=33; 12,7%). Os demais pacientes encontraram-se nas demais especialidades: renal, gastroenterologia, infectologia, oncologia, metabólica, obstétrica, traumatologia, coloproctologia, ortopedia, psiquiatria, outras. Em relação ao tempo de internação, evidenciou-se que a média é de oito dias de internação. O tempo mínimo de internação foi de um dia, e o máximo de 124 dias. Na relação entre tempo de internação e a especialidade, os pacientes que apresentaram mais de nove dias de internação foram os com afecções neurológicas (32,1%; n=27), com afecções respiratórias (29,6%; n=21) e cardiológicas (12,7%; n=7). Conclusão: Sugere-se que as afecções que envolvem os sistemas fisiológicos mais importantes do organismo humano requerem maior tempo de internação e tratamento, devido a complexidade do cuidado intensivo.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-03-30
Como Citar
HUMMEL, J.; SILVEIRA CABRAL, T.; BUSANELLO, J. PERFIL CLÍNICO E TEMPO DE INTERNAÇÃO DE PACIENTES SOB CUIDADOS INTENSIVOS. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 11, n. 2, 30 mar. 2020.