PERCEPÇÃO CORPORAL E ASSOCIAÇÃO COM O ÍNDICE DE MASSA CORPORAL DE ADOLESCENTES

  • Taís Dornelles
  • Saulo Menna Barreto Dias
  • Susane Graup
Rótulo Percepção, estado, nutricional, percepção, forma, física, índice, massa, corporal, escolares, adolescentes

Resumo

Ao fazer uma análise da sociedade atual, talvez seja difícil dizer o motivo pelos quais os adolescentes se sentem frustrados, com baixa autoestima e discriminação em relação a sua própria imagem corporal. No entanto, há um fator determinante que pode influenciar esses aspectos, que é a imagem de padrão de beleza ideal imposta pelas mídias sociais, que indiretamente supervaloriza corpos magros, definidos e com músculos, considerados como sinal de saúde, poder e beleza. Neste contexto, na busca por este padrão de beleza, alguns adolescentes acabam por sentirem insatisfação com a imagem corporal ou até mesmo dismorfia em relação à mesma. Diante disso, o presente estudo teve por objetivo analisar a relação entre a percepção do estado nutricional e da forma física com o índice de massa corporal de adolescentes de Uruguaiana/RS. Esta pesquisa pode ser caracterizada como descritiva de base escolar, no qual foram avaliados adolescentes de 10 a 17 anos matriculados em escolas públicas de Uruguaiana/RS, tendo sido aprovada pelo CEP sob o parecer Nº 2.961.732. Com base no cálculo amostral, identificou-se a necessidade de avaliar 1000 adolescentes, estando às coletas em andamento. As coletas foram realizadas em escolas situadas em diferentes localidades do município, sendo previamente agendadas com a direção e realizadas em local reservado para tal. O Índice de Massa corporal (IMC) foi avaliado por meio dos dados obtidos de massa corporal e estatura (kg/m2), e as percepções do estado nutricional (PEN) e da forma física em relação aos pares (PFFRP) por meio de questionário. Para a análise dos dados foi utilizada estatística descritiva e Teste do Qui-quadrado para as associações com nível de significância de 5%. Participaram do estudo, 451 adolescentes com a média de idade 13,3±1,98 anos, sendo 208 do sexo feminino (46,1%). O IMC médio foi 21,1±4,3 kg/m2, sendo que a classificação do mesmo indicou de 31% dos avaliados apresentam valores que indicam risco à saúde pelo excesso de peso. Em relação à PEN, 21,9% se percebem com excesso de peso (sobrepeso + obesidade) e 21,7% se consideram muito menos em forma do que os seus pares. O IMC apresentou associação significativa com a PEN (p<0,001), no qual 86,8% dos indivíduos que tinham PEN normal apresentavam valores normais de IMC. Também foi possível identificar uma associação significativa entre o IMC e a PFFRP (p<0,001), na qual apenas 14,9% dos avaliados com IMC normal, se percebem menos em forma do que os pares. Vae destacar que foi identificada associação significativa entre a PFFRP com a PEN (p<0,001). Com base nos resultados é possível concluir que a prevalência de excesso de peso é elevada entre os escolares analisados e que as percepções em relação ao estado nutricional e forma física são condizentes com o estado nutricional real.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-03-30
Como Citar
DORNELLES, T.; MENNA BARRETO DIAS, S.; GRAUP, S. PERCEPÇÃO CORPORAL E ASSOCIAÇÃO COM O ÍNDICE DE MASSA CORPORAL DE ADOLESCENTES. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 11, n. 2, 30 mar. 2020.