AVALIAÇÃO DA FORÇA MUSCULAR DE IDOSOS ANTES E APÓS TREINO DE RESISTÊNCIA: ENSAIO CLÍNICO RANDOMIZADO

  • Ariadne de Ávila
  • Marcio Alessandro Cossio Baez
  • Graziela Morgana Silva Tavares
Rótulo Idosos, Força, muscular, Equilíbrio, Treinamento, Resistência

Resumo

Introdução: O processo de envelhecimento é caracterizado por alterações em diversos sistemas, dentre estes, podemos destacar o musculoesquelético, no qual há uma redução da força muscular. Diante do exposto, estudos têm sido conduzidos na tentativa de retardar essa redução da massa muscular através de diferentes formas de exercícios. Objetivo: verificar o efeito de 8 semanas de um treinamento resistido na força muscular de idosos. Material e métodos: Foi realizado um ensaio clínico randomizado. Este foi composto incialmente por 30 indivíduos com idade >a 60 anos, sendo alocados através de sorteios de envelopes pardos, 15 indivíduos no grupo força (GF) e 15 no grupo controle (GC). O GF foi submetido a um treino de resistência, supervisionado, por 8 semanas, com frequência de 2 x na semana com duração de 50 minutos cada, sendo esta dividida da seguinte forma: aquecimento na bicicleta ergométrica com duração de 5 a 10 minutos e intensidade entre 60% e 70% da frequência cardíaca máxima, em seguida alongamentos globais e posteriormente os exercícios. Foram realizados 8 a 10 exercícios, com 1 a 3 séries de repetições em cada exercício. A progressão das séries e número de repetições foi realizada segundo as diretrizes da American College of Sports Medicine (ACSM,2003).. Já o GC não sofreu intervenção. Antes e após 8 semanas os indivíduos realizaram a avaliação da força muscular dos flexores e extensores de joelhos, a qual foi realizada através da contração concêntrica a uma velocidade angular de 60º/segundos, sendo feitas 5 tentativas em ambos joelhos, no dinamômetro isocinético Biodex System 4Pro®. Foram adquiridos dados sobre pico de torque, potência e trabalho muscular dos flexores e extensores de joelhos. Para evitar viés na pesquisa, o avaliador foi cegado, não sabendo assim a que grupo cada participante pertencia. Os dados foram analisados pelo teste t para amostras pareadas com nível de significância de (p<0,05). Resultados e discussão: Após 8 semanas, pode-se observar que o GF apresentou melhora no pico de torque na extensão do membro inferior esquerdo de 92.20+40.07 para 98.77+38.84 Nm (p=0,045), e, na potência durante o movimento de extensão de 50.01+21.42 para 59.45+27.07W (p=0.007) e flexão de 29.05+17.41 para 35.77+13.97W (p=0.027) do membro inferior esquerdo. Já o GC, apresentou apenas diferença no trabalho total de membro inferior direito durante a flexão de joelho (p= 0,043) o trabalho total o qual trata da quantidade de força produzida pelo músculo durante a amplitude de movimento de uma contração muscular, ajustado para o peso corporal. Esses resultados vão de encontro ao estudo Pinho et. al 2005 que avaliaram as mesmas variáveis porém em músculos diferentes de idosos que sofrem quedas. Conclusão: Após 8 semanas de intervenção com o treinamento resistido, o GF apresentou melhora na potência e pico de torque muscular, o que nos faz supor que o exercício resistido pode melhorar a função e mobilidade do indivíduo idoso.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-03-30
Como Citar
DE ÁVILA, A.; ALESSANDRO COSSIO BAEZ, M.; MORGANA SILVA TAVARES, G. AVALIAÇÃO DA FORÇA MUSCULAR DE IDOSOS ANTES E APÓS TREINO DE RESISTÊNCIA: ENSAIO CLÍNICO RANDOMIZADO. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 11, n. 2, 30 mar. 2020.