TOXINOLOGIA DO VENENO DE BOTHROPS PUBESCENS EM UM MODELO VERTEBRADO

  • Kimberli Moreira
  • Evelise Leis Carvalho
  • Carlos Eduardo Pinheiro Leher
  • Paulo Marcos Pinto
  • Darlene Lopes Rangel
Rótulo VENENO, ENVENENAMENTO, B, PUBESCENS

Resumo

O gênero Bothrops compreende cerca de 28 espécies que possuem morfologia e ecologia variada, habitam diversos ambientes, desde florestas úmidas até regiões com temperaturas mais elevadas, seu tamanho varia entre 30cm podendo chegar até 180cm. Bothrops pubescens tem sua distribuição no bioma pampa e em todo território Uruguaio, sua dieta consiste em lacraias, anfíbios, lagartos, serpentes, mamíferos e aves. O envenenamento por picada de cobra é um problema de saúde pública, vítimas de envenenamento causado por B. pubescens apresentam efeitos locais, que incluem hemorragia, edema, dor, mionecrose, coagulopatias e falha renal. Apesar da neurotoxicidade não ser uma característica comum do envenenamento botrópico, alguns estudos mostraram que venenos de algumas espécies de Bothrops, quando testados em preparações de aves e mamíferos, exibem ação bloqueadora da junção neuromuscular. Estudos com venenos de serpentes são importantes para que tenhamos melhor conhecimento sobre substâncias ativas com efeitos farmacológicos e também para melhor compreender a função das substâncias do veneno no envenenamento. Este estudo teve como objetivo avaliar o efeito do veneno de B. pubescens no músculo biventer cervicis de pintainho. Para isso 70, 140 e 280 µg/mL do total proteico do veneno de B. pubescens foi adicionado ao banho de órgão contendo 5 mL de solução KREBS durante 120 minutos nos quais foram realizados registros miográficos. Nossos resultados demonstram que o veneno de B. pubescens nas concentrações de 70 e 140 μg/mL produziu inibição progressiva e reversível por lavagem e na concentração de 280 μg/mL houve bloqueio total e irreversível das contrações musculares. A força de contração diminuiu diretamente proporcional a concentração de veneno utilizada e o tempo de exposição do músculo ao veneno. Neste trabalho demonstramos que o veneno de B. pubescens é capaz de agir sob o músculo biventer cervicis de pintainho, podendo levar ao total bloqueio da força de contração muscular. Estudos futuros visam identificar e caracterizar as moléculas presentes neste veneno.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-03-30
Como Citar
MOREIRA, K.; LEIS CARVALHO, E.; EDUARDO PINHEIRO LEHER, C.; MARCOS PINTO, P.; LOPES RANGEL, D. TOXINOLOGIA DO VENENO DE BOTHROPS PUBESCENS EM UM MODELO VERTEBRADO. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 11, n. 2, 30 mar. 2020.