.EXPOSIÇÃO AO IMIDACLOPRIDA AFETA O COMPORTAMENTO SOCIAL E AUMENTA O ESTRESSE OXIDATIVO EM DROSOPHILA MELANOGASTER.

  • Daniela Bordin
  • Dieniffer Espinosa Janner
  • Nathalie Savedra Gomes
  • Kétnne Hanna Poleto Pinto
  • Gustavo Petri Guerra
  • Cristini Escobar Viana
Rótulo Inseticida, Mosca-da-fruta, Transtorno, espectro, autista, (TEA)

Resumo

Os transtornos neurodesenvolvimentais se definem por fatores genéticos, biológicos e psicológicos de um indivíduo, o Transtorno do Espectro Autista (TEA) é um considerável representante desse distúrbio o qual tem como sintomas comportamentos repetitivo e problemas de comunicação. O imidacloprida é um inseticida da família dos neonicotinoides, que apresenta base molecular de nicotina, é largamente utilizado em lavouras para o controle de pragas entre outras. A aplicação de inseticidas pode contribuir para o aumento de radicais livres e alterar as barreiras antioxidantes, induzindo ao estresse oxidativo. Assim o objetivo do presente trabalho foi avaliar os efeitos da exposição ao imidacloprida em Drosophila Melanogaster a fim de desenvolver um modelo experimental tipo TEA. Foram utilizadas moscas fêmeas virgens e machos com 1 a 3 dias de vida obtendo-se quatro grupos: (1) controle; (2) imidacloprida 200 ǷM; (3) imidacloprida 400 ǷM; (4) imidacloprida 600 ǷM, estas expostas por 7 dias ao tratamento com acesso livre a dieta, acasalamento e postura de ovos, após esse periodo os progenitores foram removidos do tratamento e aguardou-se a eclosão da progênie (F1) para então serem realizados as análises comportamental de interação social e bioquímicas de espécies reativas de oxigênio (ROS) e espécies reativas ao ácido tiobarbitúrico (TBARS). A exposição ao imidacloprida nas concentrações de 200 e 400 ǷM, causou uma interação prejudicada, pois observou-se um aumento na distância de uma mosca em relação a mosca vizinha mais próxima. As concentrações de 200 e 400 ǷM também foram capaz de aumentar os níveis de ROS nas amostras de cabeça de moscas expostas ao imidacloprida em relação ao grupo controle. Os níveis de TBARS nas amostras de cabeça, apresentaram um aumento significativo somente na concentração de 400 ǷM quando comparada ao grupo controle. Conclui-se a partir dos resultados obtidos que a exposição ao imidacloprida foi capaz de provocar uma alteração comportamental, e contribuir para o aumento do estresse oxidativo, demonstrando que é possível observar as mesmas alterações vistas no TEA no modelo de Drosophila melanogaster, porém mais estudos precisam ser realizados para corroborar a exposição ao imidacloprida como um modelo tipo transtorno do espectro autista.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-03-30
Como Citar
BORDIN, D.; ESPINOSA JANNER, D.; SAVEDRA GOMES, N.; HANNA POLETO PINTO, K.; PETRI GUERRA, G.; ESCOBAR VIANA, C. .EXPOSIÇÃO AO IMIDACLOPRIDA AFETA O COMPORTAMENTO SOCIAL E AUMENTA O ESTRESSE OXIDATIVO EM DROSOPHILA MELANOGASTER. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 11, n. 2, 30 mar. 2020.