DESENVOLVIMENTO VEGETATIVO DA SOJA EM DIFERENTES MANEJOS DE FUNGICIDA E IRRIGAÇÃO

  • Willian Freitas
  • Guilherme Aarão de Souza Carpes
  • Cleber Maus Alberto
Rótulo Phakopsora, pachyrhizi, fenologia, soma, térmica

Resumo

No cultivo da soja (Glycine max) um dos fatores que mais onera o sistema de produção é aplicação de fungicidas para controle da ferrugem asiática (Phakopsora pachyrhizi) e outros patógenos, se não houver o controle, pode ocorrer perdas de até 80% na produção de grãos. O estresse hídrico pode ocasionar problemas fisiológicos graves que ocasionam queda prematura de folhas e consequente redução de produtividade. O objetivo do trabalho foi avaliar o desenvolvimento vegetativo da soja sobre a influência de diferentes aplicações de fungicida e irrigação. O experimento foi realizado na Universidade Federal do Pampa - Campus Itaqui, na safra 2017/2018. A semeadura foi feita com a cultivar Brasmax ícone (GMR = 6.8) A variável analisada foi a duração da fase vegetativa (EC a R1). O delineamento experimental utilizado foi blocos casualizados (DBC), com quatro repetições, dois fatores (manejo de fungicidas e irrigação), totalizando 24 unidades experimentais. Os tratamentos de manejo de fungicida foram: testemunha (sem aplicação, T1), aplicações de fungicida seguindo o modelo de alerta fitossanitário proposto por Del Ponte et al. (T2), e aplicações com intervalos informados nas bulas dos produtos registrados para a cultura (T3). Os tratamentos de irrigação foram: irrigado (I) e não irrigado (NI). A irrigação foi por aspersão, e determinada por dados de evapotranspiração de referência estimados com a equação de Penmann-Montheith. As variáveis meteorológicas foram coletadas na estação meteorológica automática localizada a 100 m do local de cultivo. A STA foi calculada somando os dias no qual durou o período vegetativo. As parcelas do experimento consistiram em uma área de 35 m², 7 m de comprimento e 5 m de largura, entre linha de 0,45 m e 12 plantas no metro linear. Não houve diferença significativa entre os tratamentos para STA (soma térmica acumulada) na fase vegetativa nas diferentes aplicações de fungicida e como fator a utilização ou não da irrigação. O início do período reprodutivo através é resultado da ação simultânea do fotoperíodo e da temperatura. Diante disso, a duração do ciclo da cultura varia em função do genótipo e época de semeadura. Durante a fase vegetativa de desenvolvimento da cultura não houve restrição hídrica no tratamento sem irrigação. Fato este que pode ter contribuído para que não houvesse diferença entre os tratamentos. Assim, pode ser utilizado o valor de 1515 ºC dia (108 dias) de duração para fase vegetativa da cultivar Brasmax Ícone.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-03-30
Como Citar
FREITAS, W.; AARÃO DE SOUZA CARPES, G.; MAUS ALBERTO, C. DESENVOLVIMENTO VEGETATIVO DA SOJA EM DIFERENTES MANEJOS DE FUNGICIDA E IRRIGAÇÃO. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 11, n. 2, 30 mar. 2020.