Microalgas para o Banco de Cepas Laboratório de Botânica da Unipampa- Campus Dom Pedrito

  • Jussiara Caminha
  • Bruna Padilha
  • Tatiana Germano Martins Machado
  • Leonardo Paz Deble
Rótulo Diversidade, algal, Bioma, Pampa, Banco, cepas

Resumo

Microalgas abrangem um amplo grupo de organismos predominantemente autotróficos, unicelulares, solitários ou formadores de colônias, que transformam dióxido de carbono, hidrogênio e nitrogênio em carboidratos, lipídios e proteínas. Diversos organismos aquáticos dependem das microalgas como alimento, contribuem na oxigenação e ciclagem dos nutrientes de corpos dágua. Por possuírem elevadas taxas de crescimento e produção de biomassa, o que fazem delas importantes na produção de vários produtos de alto valor comercial. A presente pesquisa tem por objetivo a implantação de uma coleção de cepas de microalgas que possibilite uma ampla finalidade para a utilização do produto, tais como: auxiliar os professores/estagiários em aulas práticas, estudo de biotecnologia, na alimentação de peixes e na produção de bioflocos (sistema de produção de organismos aquáticos). Quando a metodologia da pesquisa, amostras de água estão sendo coletadas na nascente de um córrego rápido do Arroio Taquarembó (30º 48 00S 54º 35 51W), no município de Dom Pedrito- RS, e posteriormente levadas ao laboratório para observação de espécies de interesse. O isolamento das cepas é realizado por pipetagem e diluições sucessivas e depositadas no banco de cepas do Laboratório de Botânica da Unipampa, Campus Dom Pedrito. As cepas foram mantidas em câmara germinadora marca EletroLab modelo EL 202 em réplicas sob condições controladas de temperatura a 21°C (± 1), sem aeração, com intensidade de luz de 86 μmol.s-1 .m-2, sem fotoperíodo. Os resultados seguem em andamento até o foram encontrados 2 táxons representados, sendo 2 classes Chlorophyceae (Bambuisina sp., Closterium sp., Cosmarium sp., Chlorella sp., Euastrum sp., Pediastrum sp., Scenedesmus sp.) e Trebouxiophyceae (Nitzschia sp.).As cepas estão em fase de adaptação e crescimento ao meio nutritivo utilizado além dos fatores controlados como temperatura, intensidade luminosa, sem aeração e fotoperíodo. Portanto, se faz necessário estudos com outros meios nutritivos, novas variações de temperatura, intensidade luminosa, presença de aeração e fotoperíodo para maximizar a produção de microalgas para os diversos usos, contribuindo assim para outros grupos de pesquisa e aproveitando para formar recursos humanos na área de ficologia.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-03-30
Como Citar
CAMINHA, J.; PADILHA, B.; GERMANO MARTINS MACHADO, T.; PAZ DEBLE, L. Microalgas para o Banco de Cepas Laboratório de Botânica da Unipampa- Campus Dom Pedrito. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 11, n. 2, 30 mar. 2020.