IMPLICAÇÃO DO CASQUEAMENTO E FERRAGEAMENTO NO EQUILÍBRIO PODAL DE EQUINOS ATLETAS

  • Bruno Rivero
  • Bruno Belmonte Silveira
  • Ana Luisa Carneiro Moreira
  • Claudia Acosta Duarte
  • Georgia Camargo Goss
  • Fabricio Desconsi Mozzaquatro
Rótulo Casco, Cavalo, Desequilíbrio

Resumo

O polo é um esporte equestre de alta performance que exige do sistema locomotor. Em alguns casos acarreta em lesões músculo esqueléticas. Muitas destas ocorrem na região distal do dígito e cursam com claudicação, podendo estar correlacionados à desequilíbrios podais (DP). O equilíbrio podal é um subgrupo de classificação de conformação dos membros, e se relaciona com o modo que os cascos interagem com a superfície e também, à sua aparência. Destacam-se como anormalidades, o desequilíbrio médio lateral dos talões, a contração da ranilha e o tamanho do casco em relação ao peso corporal, que influenciam diretamente na ocorrência de estresse biomecânico na locomoção. O objetivo deste trabalho foi verificar a interferência do casqueamento e ferrageamento no equilíbrio podal de equinos atletas. Esta pesquisa foi aprovada pelo CEUA-UNIPAMPA (027/2017). Foram utilizados 25 equinos da raça Polo Argentino, com média de 8±3 anos, peso médio de 470±28kg e altura média de 1,63±4,47m. Os membros torácicos (MT) de cada animal foram avaliados visualmente e os cascos foram mensurados com régua milimetrada. Para cada casco foram medidos o comprimento de parede, altura dos talões lateral e medial, comprimento e largura da ranilha, comprimento e largura do casco. A área do casco foi obtida por meio da fórmula AC=1.229 x LCcm x 1.071 x (DCcm) x 0.772. A partir disto identificou-se a presença ou não de DP. Assim, quando havia diferença igual ou acima de 0,5 cm entre as medidas de altura dos talões era considerado presença de desequilíbrio médio-lateral. A ranilha cuja largura encontrava-se inferior a 2/3 do seu comprimento foi considerada contraída e, a presença de cascos pequenos em relação ao peso vivo do cavalo era tido quando a proporção peso vivo: área do casco era maior que 5,5kg/cm². Observouse no total que 60% (15/25) dos equinos apresentavam algum tipo de DP em um ou ambos os membros. Destes, 12/25 (48%) apresentavam desequilíbrio médio lateral dos talões em pelo menos um dos MT, sendo que 2/12 (10%) possuíam nos dois. A contração de ranilha em pelo menos um dos cascos foi observada em 7/25 (28%) animais e 2/12 (10%) em ambos. Nenhum dos animais casco menor em relação ao peso. A alta porcentagem de equinos com alterações em pelo menos um dos cascos faz acreditar que o ferrageamento ou casqueamento estão sendo realizados incorretamente, pois os animais se encontravam na mesma propriedade, com manejo e ambiente iguais, além de estarem em temporada do mesmo esporte e tipo de piso. É importante a realização dos manejos corretivos dos cascos como preventivo e tratamento, para que o animal tenha boa e longeva performance atlética. Conclui-se que o casqueamento e o ferrageamento corretos são importantes para o bom desempenho atlético, pois quando realizado erroneamente poderá influenciar na saúde animal. Além disso, conscientizar e proporcionar conhecimentos aos ferradores é de suma importância na prevenção de tais desequilíbrios.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-03-30
Como Citar
RIVERO, B.; BELMONTE SILVEIRA, B.; LUISA CARNEIRO MOREIRA, A.; ACOSTA DUARTE, C.; CAMARGO GOSS, G.; DESCONSI MOZZAQUATRO, F. IMPLICAÇÃO DO CASQUEAMENTO E FERRAGEAMENTO NO EQUILÍBRIO PODAL DE EQUINOS ATLETAS. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 11, n. 2, 30 mar. 2020.