GASTEROPHILUS INTESTINALIS EM EQUINO NO RIO GRANDE DO SUL – RELATO DE CASO

  • Raissa Gomes
  • Bruna Martins Machado
  • Bruno Belmonte Silveira
  • Mauro Faria Souza
  • Tiago Gallina
Rótulo Gasterophilus, Miíases, Equino

Resumo

O presente estudo se refere a presença de Gasterophilus intestinalis, sendo este das espécies de parasitos do gênero Gasterophilus, família Gasterophilidae. São oito espécies de moscas, nas quais suas larvas causam miíases gastrointestinais. As miíases se desenvolvem entre 10 a 11 meses, onde as larvas de segundo e terceiro estádio (L2 e L3) geralmente são encontradas na porção aglandular do estômago. As larvas dessa espécie podem causar cólicas, ulcerações, anemias, diarreia, prolapso retal, entre outros sintomas descritos na literatura. Esse relato de caso foi realizado com objetivo de enaltecer a raridade de achados dessa espécie na região sul do país. Uma amostra da forma larval e dos ovos de G. instestinalis foram levadas ao laboratório de parasitologia veterinária da Universidade Federal do Pampa, campus Uruguaiana, no mês de julho de 2019 para identificação. A amostra era oriunda da cidade de Bagé-RS, proveniente de uma égua, PSI, de aproximadamente oito anos de idade, a qual dois dias após o parto começou a apresentar sinais de cólica, inquietação, dispneia, distensão abdominal, sendo diagnosticada com deslocamento de cólon, podendo ocorrer no pós-parto. Foi realizada a necropsia do animal e na porção aglandular do estômago foi encontrada a presença de larvas de G. intestinalis e observado também, neste animal e no restante dos animais da propriedade, a presença de ovos do parasito nos membros torácicos, sendo um achado muito comum, pertencente ao ciclo. Ao chegar no laboratório a amostra foi avaliada em estereomicroscópio binocular em um aumento de 40x, e observada uma larva de aproximadamente 88 mm, com a presença de duas fileiras de espinhos em seu corpo, o que a diferencia da forma larval de G. nasalis, sendo mais comumente encontrada, possuindo apenas uma fileira. O parasito G. intestinalis pode causar prejuízos econômicos para os criadouros de cavalos na região sul e no restante do país, porém o uso de Ivermectina é eficiente na eliminação das larvas que estão no estômago, e para eliminação dos ovos recomenda-se passar uma esponja com inseticida e água morna na região dos membros dianteiros. Em diversos relatos de casos os animais que apresentavam esse espécime não eram de nacionalidade brasileira, e sim importados da Europa, principalmente. A realização desse trabalho visou demostrar que segundo a literatura, a epidemiologia de G. intestinalis no Sul do Brasil não é frequentemente relatada, desde o ano de 1981 não houve registro dessa parasitose. Com isso, comprova-se que a espécie nunca deixou de existir no sul do país, apenas não foi registrado casos na literatura atualmente.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-03-30
Como Citar
GOMES, R.; MARTINS MACHADO, B.; BELMONTE SILVEIRA, B.; FARIA SOUZA, M.; GALLINA, T. GASTEROPHILUS INTESTINALIS EM EQUINO NO RIO GRANDE DO SUL – RELATO DE CASO. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 11, n. 2, 30 mar. 2020.