BENZOATO DE ESTRADIOL E PROGESTERONA INJETÁVEL NA RESSINCRONIZAÇÃO SUPERPRECOCE EM NOVILHAS

  • Maria Costa
  • Camila Cupper Vieira
  • Ana Carolina da Rosa Mateus
  • Hirya Fernandes Pinto
  • Ferando Silveira Mesquita
  • Guilherme Pugliesi
Rótulo Taxas, gestação, Perdas, gestacionais, IATF, Ultrassonografia, modo, Doppler

Resumo

Identificar a fêmea não gestante (NG) é importante na definição do início de protocolos de ressincronização da onda folicular e indução da ovulação em bovinos. Alternativamente, identificar o momento mais precoce e seguro para o início da ressincronização pode reduzir o intervalo entre inseminações e incrementar eficiência do sistema de cria. Neste cenário, faz-se necessário avaliar o risco da exposição de novilhas gestantes ao benzoato de estradiol (BE) ou à progesterona (P4) injetável de longa ação (P4Inj), bem como a sua capacidade de sincronizar a onda folicular de novilhas vazias. O objetivo deste trabalho foi verificar as taxas de gestação e as perdas gestacionais de novilhas Bos taurus x Bos indicus tratadas com BE ou P4Inj em associação a um dispositivo intravaginal de P4 14 dias após a primeira IATF, em um protocolo de ressincronização da onda folicular e indução da ovulação (Protocolo CEUA 029/2018). Foram utilizadas 677 novilhas Braford e Brangus submetidas à IATF no D0. No D14, elas receberam um dispositivo intravaginal de P4 (1g, Sincrogest, Ourofino Saúde Animal, Cravinhos, SP) e foram divididas de modo aleatório em dois grupos para receber BE (1mg i.m., Sincrodiol, Ourofino, n=339); ou P4Inj (75mg i.m., Sincrogest Injetável, Ourofino; n=338). Os dispositivos foram retirados no D22 e o DG realizado por ultrassonografia em modo Doppler (PUGLIESI et al., 2014). Das novilhas NG, foi mensurado o diâmetro do maior folículo (FD) e aplicado 1mg de cipionato de estradiol, (SincroCP, Ourofino), 250μg de cloprostenol sódico (Sincrocio, Ourofino) e 200UI de eCG (SicroeCG, Ourofino). No D24 foi realizada a segunda IATF e no D54 o DG da ressincronização. O modelo estatístico foi definido a partir de análise de regressão logística (PROC GLIMMIX, SAS versão 9.2) considerando as seguintes variáveis: tratamento, raça, idade, fazenda e interações tratamento x fazenda, tratamento x raça, tratamento x idade. Com relação ao impacto da exposição da fêmea gestante ao BE ou P4Inj na gestação oriunda da primeira IATF, as taxas de gestação no D22 (56,3% vs. 60,1%; P=0,23) e D40 (49,6% vs. 53,3%; P=0,35), bem como as taxas de perda gestacional (12% vs. 11,3%) não diferiram entre os grupos BE e P4Inj, respectivamente. Nas novilhas NG, o diâmetro do FD no D22 também não diferiu (P>0,05) entre os grupos BE (9,77 ± 0,25) e P4Inj (9,92 ± 0,22). Com relação ao efeito dos protocolos de ressincronização testados no sucesso da segunda IATF, a taxa de gestação no D54 foi superior no grupo de novilhas tratadas com BE (45,95%) em comparação às fêmeas tratadas com P4Inj (31,85%; P=0,01). Em suma, o BE foi mais eficiente do que a P4Inj como agente de ressincronização, sendo ambos igualmente seguros com relação à manutenção da gestação da primeira IATF. Estudos complementares estão em curso para investigar a possível causa das baixas taxas de gestação obtidas pela associação de P4Inj e dispositivo de P4.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-03-30
Como Citar
COSTA, M.; CUPPER VIEIRA, C.; CAROLINA DA ROSA MATEUS, A.; FERNANDES PINTO, H.; SILVEIRA MESQUITA, F.; PUGLIESI, G. BENZOATO DE ESTRADIOL E PROGESTERONA INJETÁVEL NA RESSINCRONIZAÇÃO SUPERPRECOCE EM NOVILHAS. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 11, n. 2, 30 mar. 2020.