LEUCOGRAMA EM CANINOS COM MASTOCITOMA DE ALTO E BAIXO GRAU CITOLÓGICO

  • Agnes Brandolff
  • Andrielli Trentim Pereira
  • Natalia Horstmann Risso
  • Mauren Picada Emanuelli
Rótulo Neoplasia, mastócitos, citologia

Resumo

Com o aumento da longevidade dos animais de companhia, é cada vez mais frequente o surgimento de doenças associadas à idade, dentre estas as neoplasias. O mastocitoma representa 10% das neoplasias cutâneas em cães. Seu diagnóstico pode ser feito através da citologia, um exame rápido, de baixo custo e pouco invasivo, que permite estimar o grau do tumor. Entretanto o seu padrão ouro de diagnóstico é a histopatologia, exame que permite a gradação tumoral precisa, importante para o prognóstico e conduta terapêutica. Na medicina humana o quociente neutrófilo/linfócito (N:L) é utilizado como biomarcador para diversas neoplasias. Alguns estudos sugerem que ele pode estar relacionado à gradação histológica do mastocitoma canino. Sendo assim, o objetivo do trabalho foi avaliar diferenças dos parâmetros leucocitários e a utilidade do N:L como preditor da gradação citológica do mastocitoma canino. Realizou-se um estudo retrospectivo da casuística de mastocitoma canino oriunda do laboratório de Análises Clínicas Veterinárias do Hospital Universitário Veterinário da UNIPAMPA, entre 04/2017 e 09/2019. Foram incluídos todos os casos com diagnóstico citológico de mastocitoma, sendo excluídos aqueles com ausência de hemograma. Registrou-se em uma planilha excel os seguintes dados: gradação citológica, tamanho e localização do tumor, idade, sexo e leucograma (contagem total de leucócitos e contagem absoluta de neutrófilos, linfócitos e eosinófilos). Também calculou-se o N:L. Os dados contínuos foram contrastados mediante o teste T student e os categóricos mediante o teste de Fisher com nível de significância de 5%. Obteve-se um total de 24 exames, sendo os tumores de baixo grau (BG) os mais prevalentes (15/24), estando localizados em sua maioria nos membros torácicos e/ou pélvicos. Enquanto, os de alto grau (AG) (9/24) localizaram-se em sítios anatômicos variados. A idade de ocorrência dos tumores foi similar entre as duas gradações (AG= 9,47 ± 2,8, BG= 10,56 ± 2,13, P>0,05). Tampouco se observaram diferenças na ocorrência entre sexos, no tamanho dos tumores ou nos parâmetros do leucograma (P>0,05). Apesar dos resultados similares de N:L entre as gradações do mastocitoma, ambos os grupos apresentaram valores acima dos valores referenciais utilizados no laboratório. A ausência de diferenças entre gradações citológicas poderia dever-se às limitações do presente estudo, como reduzida casuística, desconhecimento da evolução dos casos e ausência da confirmação histopatológica.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2020-03-30
Como Citar
BRANDOLFF, A.; TRENTIM PEREIRA, A.; HORSTMANN RISSO, N.; PICADA EMANUELLI, M. LEUCOGRAMA EM CANINOS COM MASTOCITOMA DE ALTO E BAIXO GRAU CITOLÓGICO. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 11, n. 2, 30 mar. 2020.